[Filme] Murder on the Orient Express

Capa do DVD

Capa do DVD

Sinopse do filme: No Orient Express um passageiro é morto e Hercule Poirot, o famoso detetive belga que embarcou por acaso, considera que todos os passageiros são suspeitos, pois todos tinham motivos para matar a vítima, que tinha seqüestrado e matado uma menina, já que os suspeitos de alguma forma tinham alguma conexão com a criança morta. As coisas se complicam quando o detetive descobre que a vítima era o seqüestrador e assassino do famoso bebê dos Lindbergh, e que todos os passageiros têm um segredo a esconder.

Oscar Venceu na categoria de melhor atriz coadjuvante (Ingrid Bergman), além de ser indicado nas categorias de melhor ator (Albert Finney), melhor roteiro adaptado, melhor fotografia, melhor figurino e melhor trilha sonora – drama.

BAFTA Ganhou três prêmios no BAFTA, nas categorias de melhor ator coadjuvante (John Gielgud), melhor atriz coadjuvante (Ingrid Bergman) e melhor trilha sonora. Recebeu ainda outras sete indicações, nas categorias de melhor filme, melhor Diretor, melhor ator (Albert Finney), melhor direção de arte, melhor fotografia, melhor edição e melhor figurino.

Continuar lendo

Unsolved Mysteries

Em 1994, a série de TV norte-americana Unsolved Mysteries apresentou sua interpretação dos fatos baseados no desaparecimento da escritora inglesa Agatha Christie, ocorrido em 1926.

O show, que foi apresentado entre 1987 e 2002, combinava reencenações e entrevistas com a narração dos fatos pelo apresentador Robert Stack. Os casos reais reportados variavam de abduções por extraterrestres, aparição de OVNIs e crop circles a fugas de prisão e outras cause cèlebre, como fantasmas na antiga casa de Lizzie Borden e este, que nos interessa.

O episódio completo em que seu desaparecimento é evocado, junto com outros casos, dura duas horas e foi ao ar pela primeira vez em 11 de novembro de 1994. O caso Agatha Christie ocupa pouco mais de 17 minutos.

No site Youtube encontramos esse vídeo, dividido em duas partes – infelizmente, sem legendas.
Continuar lendo

Rule, Britannia!

- Escute aqui, a que horas eu cheguei em casa ontem à noite?
– Lá pelas cinco, patrão.
– E… como é que eu estava, hein?
– Um pouco animado, patrão… mais nada. Disposto a cantar o Rule Britania.
– Que coisa incrível – disse Jimmy. – O Rule Britania, é? Não posso me imaginar cantando o Rule Britania nem mesmo sóbrio. Deve ter sido algum impulso de patriotismo latente provocado por… umas e outras. (O Mistério dos Sete Relógios, Ed. Record, 1987, pág. 77)

Rule, Britannia! é uma canção patriótica inglesa, muitas vezes confundida com o próprio hino nacional. Inicialmente era apenas um poema, composto pelo escocês James Thomson (1700-1748). Este poema foi musicado por  Thomas Arne e fazia parte da mascarada Alfred, que comemorava a ascenção do Rei George 1º, em 1740. Alfred referia-se a Alfred O Grande, rei anglo-saxão que comandou a nação contra os vikings, estabelecendo o ponto de partida da supremacia naval que a Inglaterra viria a dominar futuramente.

Dentre os artistas que musicaram seus versos encontram-se Handel, Bethoven, Wagner e Strauss. Suas palavras refletem o orgulho de permitir mais ingleses livres do que outras nações. Nesta época estavam a desenvolver o sistema de monarquia constitucional após a Declaração de direito de 1689, enquanto o continente europeu ainda vivia sob o absolutismo imperial francês. Inglaterra e França eram países arquiinimigos.

Rule, Britannia!
a song by Thomas Augustine Arne, 1740

Continuar lendo

Humpty Dumpty

- Nosso anúncio é muito bom – observou ele, a cabeça pendendo para o lado. – Os Brilhantes Detetives de Blunt. Você percebeu, Tuppence, que você, e só você, é os Brilhantes Detetives de Blunt? Como diria Humpty Dumpty, isso é a glória para você. (Sócios no Crime, Ed. Record, 1987, pág. 53)

Humpty Dumpty

Embora muitos conheçam a figura de Humpty Dumpty do livro Alice através do espelho, de Lewis Carroll, a personagem oval é muito mais antiga: desde o século 15 Humpry Dumpty descreve qualquer pessoa baixinha e gordinha. A sua origem é creditada a um grande canhão usado na Guerra Civil inglesa (1642-1649), que ficava posicionado no muro da cidade de Colchester, perto da igreja de St. Mary. Este canhão era chamado pelos moradores de Humpty Dumpty.

Colchester defendia os Royalists, partidários de Charles 1º e Charles 2º. Uma bola de canhão disparado pelos Roundheads, partidários dos protestantes parlamentaristas liderados por Oliver Cromwell, acertou a torre da igreja, que caiu e abalou o muro e Humpty Dumpty caiu. “Todos os cavaleiros do rei” tentaram reerguê-lo, mas era um canhão muito pesado e não conseguiram. Os parlamentaristas tomaram Colchester depois de uma batalha que durou onze semanas.

Humpty Dumpty sat on a wall.
Humpty Dumpty had a great fall.
All the king’s horses and all the king’s men
Couldn’t put Humpty together again.

Continuar lendo

Testemunha de Acusação

Já tinha lido diversas resenhas sobre este filme, todas positivas. Até Rubens Ewald Filho concedeu-lhe cinco estrelas e, dizem, era a única adaptação de um livro seu de que Agatha Christie gostou. Quem me conhece, no entanto, sabe que não dou a mínima pras críticas especializadas e às vezes até prefiro ir na contramão – das opiniões estabelecidas, não da via expressa caus que não sou suicida.

Não foi o que aconteceu desta vez: Testemunha de Acusação (Witness for the Prosecution, EUA/1957) é um filme ótimo!

Não é um whodunnit tradicional como aqueles pelos quais a escritora tornou-se famosa: a grande pegunta aqui não é “quem é o culpado?” e sim “será que ele é culpado?”

Ele, no caso, é Leonard Vole, interpretado por Tyrone Power, um homem acusado de assassinar uma senhora e que é levado a julgamento em Old Bailey.

Leonard Vole: But this is England, where I thought you never arrest, let alone convict, people for crimes they have not committed.
Sir Wilfrid: We try not to make a habit of it.

Continuar lendo

10 motivos para amar Poirot

1. Ele é grave.
2. Ele é tempestuoso.
3. Ele é animado.
4. Ele tem ótimos amigos.
5. Poirot canta!
6. Ele tem o bigode mais vistoso de Londres.
7. Ele é cortês com as mulheres.
8. Até jardinagem é excitante com ele.
9. Ele tem os olhos mais ternos.
10. Ele ama Hercule Poirot tanto quanto nós.

Música: The One You Love by Rufus Wainwright.

O Unicórnio e A Vespa

Conforme comentamos no mês passado, a série de sci-fi britânica Dr. Who apresentou um episódio dedicado à Duquesa da Morte: The Unicorn and the Wasp, episódio 7 da quarta temporada com David Tennant. O episódio foi ao ar na BBC1 no dia 17 de maio, às 19h.

As críticas foram muito boas, eu separei algumas das que recebi por email.
Continuar lendo