Morte no Nilo 2022: Cartazes individuais da nova versão

Como era esperado, não foi lançado um poster com Armie Hammer… A nova previsão de estreia no Brasil é 10 de fevereiro de 2022.

Os cartazes foram divulgados pela 20th Century Fox. Clique nas figuras para abrir em tamanho maior.

O Desaparecimento de Agatha: Mais uma versão, unindo realidade e ficção

Matéria da Veja de 30.12.2021 fala sobre o lançamento do livro “O Mistério de Agatha Christie”, da Editora Planeta:

No dia 4 de dezembro de 1926, um calhambeque Morris Cowley foi encontrado às margens de uma estrada na reserva de Newlands Corner, em Surrey, sudoeste da Inglaterra. No banco traseiro, um casaco feminino e uma carteira de motorista denunciavam a dona: a escritora Agatha Christie (1890-1976), rainha da literatura policial. Procurado pelos investigadores, o marido Archibald Christie (1889-1962) disse desconhecer o paradeiro da esposa. Nos dias que se seguiram, a polícia se debruçou sobre um mistério que parecia saído diretamente da mente engenhosa de Agatha. Os tabloides noticiaram tudo como se fosse uma grande novela, e até Arthur Conan Doyle (1859-1930), criador de Sherlock Holmes, se uniu às buscas.

O desfecho, porém, deixou pontas soltas: Agatha foi encontrada onze dias depois, hospedada em um hotel com um nome falso e desmemoriada. Agora, o livro O Mistério de Agatha Christie, lançado este mês pela Editora Planeta, tenta preencher as lacunas com uma boa dose de ficção. “Ninguém realmente sabe o que aconteceu. Ela disse que teve amnésia e se recusou a falar sobre o assunto. Há vários registros sobre o desaparecimento, mas Agatha não comentou praticamente nada”, disse a autora Marie Benedict em entrevista a VEJA.

Leia mais clicando aqui.

Update 11.01.2022 – Mais uma matéria a respeito, desta vez no Estadão: clique aqui para ler.

Luciana Naomi Hikawa: Falecimento

Luciana Naomi Hikawa

Que ano terrível. 2021 acabou de nos levar a Luciana Naomi Hikawa, minha querida amiga, uma das mais antigas e fiéis de 25 anos de estrada internauta, minha sócia em tantos blogs antigos, companheira e comentarista comigo de tantos realities e programas ao longo dos anos, a responsável por me trazer de volta à internet depois de mais de um ano fora, me chamando pra dividir com ela justamente este nosso A Casa Torta, nossa Lady Lucy Angkatell eterna… é por causa dela que Tommy Beresford surgiu na internet, uma história longa…

Uma criatura incrível, inteligente, cheia de criatividade… estou arrasado. A eterna Batata Transgênica, uma das melhores blogueiras que já passaram pela internet brasileira.

2021, que ano terrível…

Os Tradutores: Com direito a homenagem a Agatha Christie

Quem adora filme de mistério vai se fartar (e há uma homenagem a Agatha em determinada cena). Um filme francês, com um elenco internacional, curto e muito bem roteirizado e dirigido: “Os Tradutores”, nos cinemas (infelizmente poucos) em novembro de 2021.

Diversos tradutores, contratados para traduzir o último livro de uma famosa trilogia: um trabalho de sonho que se torna um pesadelo quando um acontecimento inesperado coloca-os todos como suspeitos.

Ian McKellen: Um sinistro mordomo, 60 anos depois

Em seu perfil oficial no Facebook, Sir Ian McKellen conta sobre nova sua aparição nos teatros em 2021, nada menos que sessenta anos depois de atuar interpretando também um mordomo em sua estreia numa história baseada em “Café Preto”:

Em meu primeiro trabalho, no Belgrade Theatre Coventry, a companhia fazia uma peça diferente a cada quinze dias. Um deles foi “Black Coffee” de Agatha Christie, no qual interpretei o antigo e bastante sinistro mordomo, Tredwell [*].

Isso envolveu empoar meu cabelo jovem de branco e pintar algumas rugas em meu rosto com um andar vacilante, tomando cuidado para não estragar o café envenenado que mata meu patrão.

60 anos depois, estou me repetindo, desta vez em uma peça muito superior e mais divertida. Espero que, com a cabeça raspada e bigodes falsos, eu seja um velho mais convincente.

[*] Treadwell, no original.

A peça nova, em cartaz em outubro e novembro de 2021, como Firs:

https://theatreroyalwindsor.co.uk/thecherryorchard/

Mais sobre a carreira de Sir Ian:
https://en.wikipedia.org/wiki/Ian_McKellen

A postagem original:

A Boneca da Modista: Uma questão de derrière

Hoje em dia a palavra “bunda” não escandaliza ninguém, mas ela não é comum na literatura de Agatha. O trecho selecionado é do conto “A Boneca da Modista”, incluído no livro “Os Últimos Casos de Miss Marple”. Aparece na página 120 da edição da L&PM, com tradução de Pedro Gonzaga.

YouTube: Poirot e mais Poirot

Já publicamos aqui, esses anos todos, muitas dicas sobre vídeos dos filmes e séries envolvendo as obras de Agatha, mas muitos deles acabam saindo do ar com o tempo. Vai aqui a dica de um canal com dezenas de episódios da série Poirot, todos disponíveis em vídeos do YouTube:

https://www.youtube.com/playlist?list=PLur-u8joYJPHijJOuPcNgo41KHKzI-hC1

Entre Facas e Segredos: Duas sequências em breve

Uma matéria do site NeoFeed, que fala sobre os valores milionários pagos aos astros no streaming e sobre as novas estreias previstas, conta sobre as continuações previstas para o filme “Entre Facas e Segredos”:

A batalha entre cinema e streaming atinge também os atores. Mais precisamente, os bolsos dos astros. Tanto para o bem, no caso do recente contrato milionário de Daniel Craig com a Netflix, para estrelar duas continuações de “Entre Facas e Segredos”.

(…) A Netflix pagou cerca de US$ 450 milhões pelos direitos de realizar duas continuações de “Entre Facas e Segredos”, deixando para trás a Apple e a Amazon, que também estavam no páreo. Na época da compra, analistas do mercado apontaram que só mesmo uma gigante do streaming teria condições de pagar soma tão astronômica por esses direitos.

Enquanto a receita anual da Netflix atingiu US$ 25 bilhões no ano passado, a Lionsgate, o estúdio responsável pela distribuição de “Entre Facas e Segredos” (com renda mundial de US$ 311,4 milhões), teve uma receita de US$ 3,89 bilhões – aproximadamente seis vezes menor que a da Netflix.

Leia a matéria completa clicando aqui.

Post relacionado – Relembre o primeiro filme, inspirado em histórias de detetive:
Entre Facas e Segredos: A influência de Agatha

Games: Hercule Poirot, The First Cases

Para quem gosta de games, um jogo de aventura e investigação chamado “Agatha Christie – Hercule Poirot: The First Cases” foi anunciado para o Nintendo Switch e deve chegar nos formatos físico e digital em 28 de setembro de 2021, de acordo com anúncio feito pela editora Microids em conjunto com a desenvolvedora Blazing Griffin:

Pela primeira vez, os jogadores descobrirão um novo aspecto da vida de Hercule Poirot que nunca foi explorado antes, enquanto eles vivenciam um de seus primeiros casos como um jovem policial e detetive na Bélgica antes da guerra. A equipe de desenvolvimento criou uma aventura original intrigante que se baseia no mundo familiar e no personagem icônico criado pela escritora policial best-seller Agatha Christie. Os fãs da obra de “Rainha do Crime” identificarão facilmente os elementos-chave de suas histórias, desde as ‘pequenas células cinzentas’ de Poirot à intrincada trama do jogo e na conclusão satisfatória e inesperada da história.

Em seus primeiros anos como detetive, o jovem Hercule Poirot é convidado para uma recepção pela influente família Van den Bosch, para o anúncio do noivado de sua filha. Mas a tensão entre os convidados aumenta quando uma tempestade de neve desce sobre a cidade, prendendo todos dentro da mansão. O feliz acontecimento logo é estragado pelo assassinato de um dos convidados! Poirot estando no lugar certo na hora certa começa imediatamente a investigar. Que segredos enterrados e rivalidades mortais ele descobrirá?

Leia mais clicando aqui.

Adaptação de Hugh Laurie: Why Didn’t They Ask Evans? tem elenco revelado

Will Poulter

Em abril de 2021 saiu a notícia que causou tanta ansiedade nos fãs…

Nova adaptação: Hugh Laurie dirige Why Didn’t They Ask Evans?

… e neste 10.06.2021 o site Deadline não somente confirmou a produção mas falou sobre o elenco:

“The Revenant” star Will Poulter and “Bohemian Rhapsody”’s Lucy Boynton are to lead the cast of Hugh Laurie’s three-part adaptation of Agatha Christie’s murder-mystery Why Didn’t They Ask Evans?.

Deadline revealed that The Night Manager and House star was behind the adaptation in April and the series is starting production this week.

(…) The cast also includes Maeve Dermody (“The Secret Garden”), as Moira, the troubled wife of psychiatrist Dr. James Nicholson and Conleth Hill (“Game of Thrones”) as Bobby’s genial mentor, Dr. Alwyn Thomas, who is at Bobby’s side when he discovers the body. Daniel Ings (“I Hate Suzie”) will star as Roger Bassington-ffrench, the beguiling early target of the crime-solving duo and Jonathan Jules (“Small Axe”) as Ralph “Knocker” Beadon, a trusted shipmate of Bobby’s who finds himself conscripted into the duo’s caper.

Leia mais clicando aqui.

Hábitos e Agatha

Matéria da BBC reproduzida no portal G1 em 07.06.2021 com o título “Os hábitos malvistos que estimulam a criatividade” cita Agatha:

(…) O matemático francês Henri Poincaré (1854-1912) relatou como fez descobertas durante viagens de ônibus ou caminhadas à beira-mar, enquanto a escritora inglesa Agatha Christie (1890-1976) teve muitas ideias para suas histórias de crime enquanto lavava a mão ou tomava banho.

“Não acho que a necessidade seja a mãe da invenção”, escreveu ela em sua autobiografia. “A invenção, na minha opinião, surge diretamente do ócio, possivelmente também da preguiça.” (…)

Leia o artigo completo clicando aqui.

Camilla Lackberg: Ainda a nova Agatha Christie?

Camilla Lackberg

Uma matéria do site da Isto É em 03.06.2021 com o título “Os escritores que vieram do frio” cita Agatha quando fala de Camilla Lackberg:

(…) Apesar da predominância de nomes masculinos, a autora que vem sendo chamada de “a nova Agatha Christie” também vem da Suécia: os livros de Camilla Lackberg já venderam quase 30 milhões de exemplares. Isso dá bem mais gente que o número de moradores de sua cidade natal, onde ela costuma ambientar suas tramas: Fjällbacka, na costa ocidental sueca, tem apenas 859 habitantes. Trata-se da compravação da teoria de Tolstói: contar as histórias de sua aldeia é a melhor maneira de se tornar universal.(…)

Veja a matéria completa clicando aqui.

A alcunha de “Nova Agatha Christie” não é nova. Matéria da Folha de 2010, na época do lançamento de “A Princesa de Gelo” no Brasil (que trazia a frase na capa):

Traduzida em mais de dez idiomas, a jovem escritora Camilla Läckberg é considerada a “nova Agatha Christie”. Läckberg nasceu em 1974, em Fjällbacka (Suécia). Antes de se tornar a nova rainha do crime, trabalhou como produtora e diretora de marketing.

Primeiro volume a ser lançado no Brasil pela editora Planeta no dia 15 de junho, “A Princesa de Gelo” relata a primeira aventura de Erica Falck, uma biógrafa que encontra seu passado mergulhado em um lago gelado de sangue.

Leia mais em:
Autora tida como “nova Agatha Christie” lança seu primeiro livro no Brasil

Leia também no Literatura Policial:
Camilla Lackberg fala sobre série de sua autoria em festival noir

Patricia Highsmith: A mãe do suspense, por Felipe Machado

Patricia Highsmith

Matéria de Felipe Machado de 21.05.2021 no site da Isto É fala sobre a escritora Patricia Highsmith e seu personagem Tom Ripley e cita Agatha:

No início do século 20, tramas misteriosas de autores britânicos como Sir Arthur Conan Doyle e Agatha Christie valorizavam nomes da estirpe de Sherlock Holmes e Hercule Poirot – detetives que defendiam a lei em casos intrincados que apenas seus cérebros geniais eram capazes de solucionar. Nos anos 1950, do outro lado do Atlântico, uma autora americana passou a subverter essa literatura de suspense ao apresentar como protagonista de sua obra um homem oposto a tudo isso: Tom Ripley, um psicopata cruel, assassino tão charmoso quanto perigoso. O que foi ainda pior, no entanto, é que os leitores se apaixonaram por ele.

Sua criadora, Patricia Highsmith, era uma mulher estranha: lésbica que odiava mulheres, misógina e preconceituosa. Criava caramujos como animais de estimação – e os levava na bolsa quando comparecia a festas. À frente da máquina de escrever, porém, suas obsessões ganhavam vida em personagens complexos e antimaniqueístas, prováveis versões de quem ela teria sido se não houvesse leis no mundo fora das páginas.

Em 2021, comemora-se o seu centenário. A editora Intrínseca relança sua coleção, começando por “Em Águas Profundas”. Na sequência, dois títulos que ganharam populares adaptações cinematográficas: “O Talentoso Ripley” e “Ripley Subterrâneo”. Ele é o anti-herói por quem acabamos torcendo, mesmo diante de toda a sua crueldade – isso era inédito antes de Patricia Highsmith. A americana criou um estilo tão inovador que é considerada “a mãe do thriller”, suspense psicológico que hoje vende milhões de cópias e tem entre seus expoentes nomes como Harlan Coben e Gillian Flynn, cujas obras estão junto às mais adaptadas para o cinema. O trabalho de Highsmith também ganhou as telas inúmeras vezes, não só com as tramas de Ripley, mas desde o seu livro de estreia: “Pacto Sinistro” foi publicado em 1950 e transformado em filme no ano seguinte – por ninguém menos que Alfred Hitchcock.

Leia o artigo completo clicando aqui.

Dicas de suspense: A Mulher na Janela na Netflix e A Mulher na Cabine 10 nas livrarias

Estreou em 14.05.2021 na Netflix o suspense “A mulher na janela”. O filme é baseado em um livro da escritora A. J. Finn e conta a história de Anna Fox, uma mulher que sofre de agorafobia, um transtorno de ansiedade ligado a lugares desconhecidos. Matéria no site Liberal fala sobre essa estreia e também sobre um livro “com ares de suspense de Agatha”:

Anna toma remédios que podem causar alucinações e é alcoólatra. Anna passa seus dias observando pela janela a rotina dos vizinhos. Com esse hábito, testemunha um assassinato ser cometido. Contudo, Anna é desacreditada a tal ponto que o próprio leitor fica em dúvida sobre o que realmente ela viu.

Essa premissa é semelhante a outros suspenses com protagonistas femininas que chegaram às livrarias nos últimos anos. Em maior ou menor grau, todos estão falando de uma tática de manipulação que ficou conhecida pelo termo “gaslighting”.

Basicamente, consiste em desacreditar as afirmações de uma mulher, muitas vezes chamando-a de louca. O gaslighting é uma tática muito usada em relações abusivas, quando uma mulher passa por manipulações psicológicos tão profundas que seu senso de realidade é abalado.

(…) Outro livro recente que traz uma protagonista não confiável que presencia o que pode ser um crime é “A mulher na cabine 10”, de Ruth Ware. A jornalista Laura Blacklock está cobrindo a viagem inaugural de um cruzeiro quando escuta, na cabine ao lado, o que acredita ser um assassinato. Ela aciona a segurança do navio, mas descobre que a acomodação não tem nenhum passageiro registrado.

O testemunho de Laura é colocado à prova quando o segurança descobre que ela passou recentemente por um assalto à sua residência e toma remédios para ansiedade. Apesar de demorar um pouco para engatar, o livro tem ares de suspense de Agatha Christie.

Leia mais clicando aqui.