Agenda de TV

televisao.jpgFilmes adaptados da obra de Agatha Christie programados pelos canais brasileiros para março de 2008. As informações foram fornecidas pelos canais e podem sofrer alteração. Consulte o site oficial da HBO, Cinemax e Maxprime para confirmar a programação. O horário é o de Brasília.

Data Hora Filme Canal
04/03 03h50 Nêmesis HBO
05/03 03h15 Miss Marple: Towards Zero HBO
09/03 05h00 Miss Marple: Towards Zero HBO
09/03 07h45 O Mistério de Agatha MaxPrime
13/03 06h45 Miss Marple: Towards Zero HBO
13/03 13h30 O Mistério de Agatha Christie MaxPrime
17/03 04h30 Miss Marple: Towards Zero HBO
21/03 05h15 Miss Marple: Towards Zero HBO
24/03 09h30 Miss Marple: Towards Zero HBO
28/03 08h45 O Mistério de Agatha MaxPrime

Caso saiba de outros filmes ou episódios programados para o mês de março, por favor, avise-nos nos comentários ou pelo email angkatelll@yahoo.com . Obrigada!

Viajando por Agatha

Nós já falamos um pouco sobre isso em post de 24 de janeiro de 2008, mas de qualquer forma vale a pena ler um artigo publicado no site do Estado de São Paulo no último dia 25 de fevereiro:

Os romances de Agatha Christie estão entre os mais vendidos do mundo: cerca de 2 bilhões de cópias, segundo o Guinness Book, o livro dos recordes. Uma viagem até Torquay, na Riviera Inglesa, pode revelar outros mistérios – estes, sim, reais – sobre a “rainha do crime”. Foi lá que ela nasceu, em 15 de setembro de 1890, e viveu até se casar. Para comemorar seu centenário, em 1990, a cidade criou o Agatha Christie Mile, um tour por pontos importantes da vida da escritora.

Leia o texto completo no site do Estadão, “Agatha, a rainha do crime”, clicando aqui.

Grupo de discussão

Uma série de estudos e debates sobre os casos de Hercule Poirot, personagem da escritora inglesa Agatha Christie, terá lugar na Biblioteca Pública The Barrington, em Rhode Island/EUA, a partir de hoje. Caso algum leitor nosso esteja na cidade e queira aproveitar a ocasião…
😉

O grupo lerá duas novelas e três contos, além de assistir dois longa-metragens e vários filmes de uma hora. As bibliotecárias Lauri Burke e Nancy Christy conduzirão os debates.

Fonte: Projo

Noite Sem Fim

Pôster do filme Noite InterminávelSinopse: Um jovem chofer inglês deseja construir a casa de seus sonhos, e vê a grande chance aparecer quando apaixona-se por uma bela herdeira americana. Porém, não demora a descobrir que a esposa tem estranhos hábitos, e sua vida torna-se um pesadelo interminável. Adaptado do best seller homonimo de Agatha Christie, este traz Mills, de “Polyanna”, Ekland de “007 Contra o Homem da Pistola de Ouro”, e conta ainda com a presença de George Sanders, de “Sansão e Dalila”. (Movie Mago)

Podemos assistir os quase 100 minutos de Noite Interminável ( o título brasileiro para o filme Endless Night, de 1971) no Youtube, em 10 partes de 10 minutos cada ou, ainda, fazer o download do filme inteiro pelo torrent http://www.mininova.org/tor/1134404 – ambos em inglês sem legendas.

Continuar lendo

Enciclopédia Britânica

Abaixo, reproduzimos o artigo relativo a Agatha Christie dentro da Enciclopédia Britânica:

Enciclopédia BritânicaDame Agatha Christie
Encyclopædia Britannica Article
Page 1 of 1
– born Sept. 15, 1890, Torquay, Devon, Eng.
– died Jan. 12, 1976, Wallingford, Oxfordshire

in full Dame Agatha Mary Clarissa Christie, née Miller

English detective novelist and playwright whose books have sold more than 100 million copies and have been translated into some 100 languages.

[Texto completo (com spoilers sobre Poirot e Miss Marple): clique aqui]

Como servir o chá da tarde ao estilo de Miss Marple

Mesa posta para chá da tardeA detetive quintessencialmente inglesa de Agatha Christie, Miss Marple, não apenas tricota e soluciona crimes mas também serve um chá da tarde de morrer! Você pode fazer o mesmo.

Passo-a-passo
. Separe a porcelana mais bonita e delicada que conseguir.
. Tenha certeza que seu faqueiro esteja polido e brilhante. Coloque a mesa com uma toalha rendada ou de linho branca como a neve. E guardanapos combinando.
Continuar lendo

The Spinster Sleuth

Geraldine McEwan como Miss MarpleComo tenho profunda simpatia por Miss Marple, não custa nada indicar um link (que acabei de descobrir que está na lista de links à direita deste blog…) que fala especificamente sobre esta personagem adoravelmente perspicaz presente em alguns dos melhores livros de Agatha Christie:

Miss Jane Marple – The Spinster Sleuth

Pena que haja seções não desenvolvidas e não esteja sendo atualizado desde 2006. Ainda assim, vale uma olhada: há até uma pesquisa sobre qual atriz melhor a interpretou (Joan Hickson, Margaret Rutherford, Angela Lansbury e Helen Hayes são algumas das opções).

Na foto ao lado, Geraldine McEwan como Miss Marple.

(No mesmo site, há um link para uma página semelhante sobre Hercule Poirot, The Belgian Detective.)

Quem é o melhor escritor de crime de todos os tempos?

Esta é a pergunta do jornal britânico Daily Telegraph, nesta semana. A equipe literária do jornal selecionou 50 nomes e pergunta aos leitores se se esqueceram de alguém ou se algum autor deveria sair da lista.

A lista comentada, em inglês, está aqui. Segue baixo uma lista simples, com o livro indicado para leitura. Agatha Christie foi indicada, claro, mas com um livro que geralmente não é lembrado quando se escreve sobre ela.

Continuar lendo

Um Corpo na Biblioteca

Capa do livro Um Corpo na BibliotecaSinopse da quarta capa: Sete da manhã. Ao acordarem, os Bantry encontram o corpo de uma jovem estendido sobre o tapete da biblioteca. Ela está com um vestido de noite e muita maquiagem, que agora mancha seu rosto. Mas quem é ela? Como foi parar ali? E qual é a sua ligação com outra adolescente assassinada, cujos restos mortais serão mais tarde encontrados numa pedreira abandonada? Preocupados, os Bantry chamam Jane Marple para desvendar o mistério, antes que as más línguas entrem em ação…

The Body in the Library (1942)
(Um corpo na biblioteca, em Portugal)

Citações e referências
Referências à vida pessoal, humor e métodos de Miss Marple:

Continuar lendo

Muito mais que isso

Miss Marple, duas intérpretesDefinitivamente não gosto do primeiro parágrafo que (atualmente) o Wikipedia apresenta como definição para Miss Marple:

Miss Jane Marple é uma detetive de ficção velhinha criada por Agatha Christie. Nunca atingiu o sucessso de Poirot, mas é a segunda personagem mais famosa da Dama do Crime. Fofoqueira e, aparentemente, muito atrapalhada, Miss Marple desvenda os mais intricados mistérios baseando-se apenas em mexericos e em lembranças de pessoas que conheceu em seus mais de setenta anos. Seu primeiro caso foi The Murder at the Vicarage (Assasinato na Casa do Pastor no Brasil ou Crime no Vicariato em Portugal) e o último, Sleeping Murder (Um Crime Adormecido no Brasil).

Escolha a pior expressão:

– detetive de ficção velhinha
– nunca atingiu o sucessso de Poirot
– fofoqueira e, aparentemente, muito atrapalhada
– baseando-se apenas em mexericos

O artigo se redime nos dois parágrafos seguintes …leia mais clicando aqui…

One two buckle my shoe

nursery1_16756_th.gifUm, dois, afivelo o meu sapato
Três, quatro, saio, puxo a porta e bato
Cinco, seis, tem gravetos pro meu ninho
Sete, oito, apanhados no caminho
Nove, dez, como é gorda essa galinha
Onze, doze, vou seguir por essa linha
Treze, catorze, vou ao parque namorar
Quinze, dezesseis, na cozinha a trabalhar
Dezessete, dezoito, esperei horas a fio
Dezenove, vinte, o meu prato está vazio… (Uma dose mortal, Ed. Nova Fronteira/2005)

Esta cantiga infantil parece não ter nenhum significado histórico ou oculto digno de nota, exceto o de ajudar as crianças pequenas a contar. Um equivalente brasileiro é o “um, dois, feijão com arroz”, já que a rima é com o número, não com a linha de cima…

Continuar lendo

Menos um Poirot

David Suchet, intérprete de Hercule PoirotTrês notas recentes sobre David Suchet, famoso intérprete de Hercule Poirot:

19.02.2008 – David laments loss of theatre tradition:

(…) The Poirot star fears more youngsters are heading straight for quick fame with TV instead of theatre or film. (…)

20.02.2008 – Suchet missed out on Belgian coin mint:

Actor David Suchet narrowly missed out on the chance to be immortalised on Belgian currency as his famous character Hercule Poirot – because the idea was scrapped once the country joined the single European currency. (…)

A terceira é a inesperada:

20.02.2008 – Suchet to retire as Poirot

(Leia a matéria clicando aqui)

Galeria de Fãs: Betinho

BetinhoO sociólogo brasileiro Herbert José de Sousa, mais conhecido como Betinho, teve contato com o crime e a morte desde que nasceu, em 1935, por acompanhar o pai em seus trabalhos em penitenciárias e funerárias. Portador de hemofilia, mais tarde contraiu tuberculose na infância. Seu maior legado é a Ação da Cidadania contra a Miséria e Pela Vida, projeto responsável pelo Fome Zero.

A enfermeira Maria Luíza de Deus, a Dinha, visitava-o duas vezes por dia, pela manhã e à noite, para aplicar injeções. Encontrava Betinho atracado com o violão ou com os livros. Nesse período, ele aprendeu aeromodelismo, fez curso de radiotécnico por correspondência e tentou a escultura. Marcava o passar dos dias com riscos na parede, como os presidiários. A febre constante entre 37 e 38 graus e a falta de perspectivas de cura faziam toda a família já chorar sua provável morte.
As leituras para matar o tempo eram muitas e tinham duas fontes. Os livros baratos comprados por seu Henrique nos sebos iam de policiais de Agatha Christie às obras completas de Dostoiévski. (Revista Criativa, trecho do livro “Betinho: Sertanejo, Mineiro, Brasileiro” de autoria de Carla Rodrigues, da Ed. Planeta)

Capas originais

Ouvi Poirot murmurar baixinho: – Ah, c’est comme ça!’ – E um instante depois, acrescentou, com a sua fantástica sorte habitual de acertar sempre na mosca (o que procura dignificar dando o nome de psicologia): – Quer dizer que já conhecia Lady Yardly? Ou era seu marido que a conhecia?

– Gregory conheceu-a quando ela esteve na Califórnia, há três anos.- Mary Marvell hesitou por um momento e depois indagou, um tanto bruscamente: – Algum dos dois costuma ler Society Gossip?

Ambos nos declaramos culpados, um pouco envergonhados.

– Fiz a pergunta porque no número desta semana saiu um artigo sobre jóias famosas bastante curioso…

Levantei-me, fui até a mesa, do outro lado da sala, e voltei com o referido jornal.

(“Poirot Investiga”, 1924, conto 1, tradução de A. B. Pinheiro de Lemos)

Copiei esse trecho como mote inicial deste post porque não encontrei ainda referência à existência real de um jornal chamado “Society Gossip”: pode ser mais uma das criações da autora, tal como a Herzoslováquia citada aqui em post anterior. Mas, durante a busca, achei curiosa a capa da edição original de “Poirot Investiga” (abaixo). A figura foi encontrada no artigo em inglês do Wikipedia sobre Poirot Investigates, com os dados abaixo:

Cover artist: W. Smithson Broadhead
Publisher: Bodley Head
Publication date: March 1924
Media type: Print (Hardcover & Paperback)
Pages: 310 pp (first edition, hardcover)

No mesmo ano, Agatha lançaria, em agosto, O Homem do Terno Marrom, cuja capa, também bastante curiosa, está ilustrada ao lado.

Poirot Investiga, 1924, capa original O Homem do Terno Marrom, 1924, capa original

Monty Python’s Agatha Christie Sketch (“Railway Timetables”)

Na semana passada falamos sobre o primeiro esquete do Monty Python’s Flying Circus dedicado à Agatha Christie, o Inspetor Tiger, que tratava da habilidade da Dama do Crime em resolver “crimes do quarto fechado” com irreverência (esta é uma das raras vezes em que esta palavra descreve exatamente a situação).

O segundo esquete, Railway Timetables (algo como “tabela de horários dos trens”), trata de outro tema recorrente nos livros de Agatha Christie: os trajetos e horários dos trens, não apenas os internacionais mas especialmente os domésticos, que tantas vezes foram cruciais para a solução do crime. Ela chegou a batizar um dos livros com essa informação: 4.50 From Paddington (1957, A Testemunha Ocular do Crime, no Brasil, ou O Estranho Caso da Velha Curiosa, em Portugal).

Continuar lendo

Das curiosidades blogueiras

Investigando a Casa TortaUma das promessas que andei fazendo para Lady Lucy (além da subpágina “Filmes”, que um dia “vai / com jeito vai / senão um dia / a Casa Torta cai”) foi ficar de olho nas estatísticas do site. Não que ela tenha me pedido, mas porque eu, enquanto detetive amador, sou obcecado por estatísticas… 🙂

Seja como for, tenho acompanhado de vez em quando as formas pelas quais os visitantes do site mais ‘fortuitos’ acabam chegando em nosso O Mundo de Agatha Chrisite. E há consultas bastante curiosas, com as quais os internautas acabam ‘pousando’ aqui por conta dos resultados que São Google oferece a eles, na junção de palavras e expressões utilizadas em nossos posts … veja exemplos clicando aqui…

Toddy

Poirot e eu estávamos sentados em frente à lareira, aquecendo-nos às chamas reconfortantes. Do meu lado, sobre a mesa que nos separava, fumegava uma caneca de toddy preparado com carinho. Junto a Poirot uma xícara de chocolate espesso e perfumado, que eu não beberia nem por cem libras. (Os primeiros casos de Poirot, Ed. Record/1989)

Hot toddyQuando li este livro pela primeira vez, exatamente em 1989, me lembro que cheguei a questionar porque Toddy e não Nescau ou Quick ou Ovomaltine. O tempo passou e só agora, quando reli, é que pude pesquisar esta questão, graças à Internet.

É claro que toddy não é leite achocolatado – podia ser se fosse Poirot quem estivesse bebendo, mas era Hastings, e ele expressou sua opinião desabonadora sobre as bebidas doces em várias ocasiões: na mesma frase que abre este post, por exemplo!

Continuar lendo

Realidade x Ficção

O Segredo de Chimneys, originalmente de 1925, em quadrinhos modernosAlgumas das localidades e países citados nos livros de Agatha Christie já nem existem mais, ou mudaram de nome, como a Rodésia citada aqui recentemente.

Alguns outros nunca existiram. São realmente ficção, criados pela Dama do Crime e inseridos nas histórias em meio a locais reais.

Descobri isso apenas recentemente, quando comecei a reler “O Segredo de Chimneys” (1925), onde Agatha cita a Herzoslováquia. Ao procurar no Google a respeito desta nação, vi que a mesma está inserida numa seção muito interessante do Wikipédia:

Lugar Fictício

Nesta página você pode ver que há dezenas de invenções geográficas na literatura, como a própria St Mary Mead, a cidade de Miss Marple. Como cita o próprio Wiki, “o hobby de criar lugares fictícios e descrevê-los chama-se Geoficção”, e há também uma seção específica e bastante interessante a respeito.

(Já que citei “O Segredo de Chimneys”, a figura acima é uma ilustração da versão em quadrinhos do livro. Fonte da ilustração acima: clique aqui)

O dinheiro nos livros de Agatha Christie

– Suponho que deve ter um saldo tranqüilizador! – retruquei.
– Quatrocentos e quarenta e quatro libras, quatro xelins e quatro pennies – disse Poirot num tom complacente. – Um belo número, não acha? (Os Primeiros Casos de Poirot, Ed. Record/1989, pág. 81)

O sistema monetário inglês não seguia o sistema centesimal internacional que mesmo sua colônia norte-americana adotou (1 dólar = 100 centavos). A moeda britânica era tão peculiar que até a autora J. K. Rowling, súdita da Rainha, brincou com isso na sua série de livros “Harry Potter”.

Continuar lendo

Uma Dose Mortal

Capa do livro Uma dose mortalSinopse da quarta capa:
Um pacato dentista é encontrado em seu consultório com uma bala na testa e uma pistola perto da mão direita. Mais tarde, um de seus pacientes daquele dia aparece morto, devido a uma dose excessiva de anestesia local. Um caso evidente de assassinato e suicídio. Mas por que o dentista cometeria um crime num dia de expediente movimentado? A fivela prateada de um sapato é a chave para o mistério. Mas poderá Hercule Poirot descobrir a verdade em meio a tantas armadilhas?

One, two, buckle my shoe (1940)
(Os crimes patrióticos, em Portugal)

Citações e referências
Referências à vida pessoal, humor e métodos de Hercule Poirot:

Continuar lendo

Usados e Abusados

Tragédia em Três Atos, 1935 - Capa da Nova FronteiraRecentemente aqui no blog comentei, no post Relíquias do Passado, a respeito dos sebos e outros locais específicos onde podemos encontrar os livros de Agatha Christie usado e/ou por preços mais em conta.

Pois esta semana estive no centro do Rio de Janeiro e consegui comprar mais 8 livros da Dama do Crime gastando apenas R$ 25.

Encontrei, em razoável estado de conservação, a edição da Nova Fronteira de “Tragédia em Três Atos”, que nunca li, num camelô da Rua Santa Luzia, no caminho do posto do Detran que funciona no final desta mesma rua. Na mesma banca, vários outros títulos de diversos autores famosos, todos a R$ 5. Havia inclusive edições de títulos de Agatha Christie editados pelo Círculo do Livro, aqueles de capa dura, também por R$ 5.

O Cavalo Amarelo, 1961 - Capa da Editora RecordMas bom mesmo foi encontrar aquelas edições populares da Record – aquelas de “papel de jornal” – todas por R$ 3. Detalhe curioso e importante: vários estavam ainda lacrados, ou seja, percorreram mais de 20 anos intactos, sem terem sido lidos ! Comprei 7 por R$ 20, na banca de livros usados do Largo da Carioca em frente à Rua Treze de Maio, todos em excelente estado de conservação.

Para seguir minha ordem de (re)leitura, preciso agora encontrar “Poirot Investiga”. O importante, portanto, é procurar. Não sei como é nas outras cidades, mas o Rio de Janeiro é repleto de opções, entre sebos e bancas populares, certamente você vai encontrar o que deseja.

A vida imita a arte?

Agatha Christie à máquina de escreverEu não se acontece com vocês também mas, depois que iniciamos os trabalhos neste blog, vejo ecos dos livros de Agatha Christie em notícias do mundo real a toda hora. Só nesta última semana foram pelo menos quatro!

Nos casos de envenenamento é quase obrigatório lembrar de algumas de suas tramas: temos desde o “simples” caso das agricultoras de Garça/SP (embora não se tenha divulgado ainda qual o veneno utilizado e o único suspeito detido tenha sido liberado por falta de provas; as acusações contra ele vieram do testemunho de uma pessoa).

Continuar lendo

Notícias de teatro

Elenco da montagem The Mousetrap, do grupo Chanticleers TheatreUm apanhado das notícias da semana sobre encenações teatrais de obras de Agatha Christie: muitas peças a estrear em inglês agora em fevereiro. Se viajar para a Inglaterra ou para os Estados Unidos, pode aproveitar para incluir na sua agenda.

A Ratoeira em Castro Valley, Califórnia/EUA.

Agatha Christie’s thriller, “The Mousetrap,” still scares audiences with its menace and murder as it has been doing in London’s West End theatrical district since 1952. The longest running play in Continuar lendo

Jumbo e Alice

“Eu te amo” declarou-se Jumbo para Alice.
“Não acredito” para Jumbo ela disse.
Se me amasse, como diz que ama,
Pra América não iria, cá deixando sua dama. (Aventura em Bagdá, Ed. Nova Fronteira/2005, pág. 27)

Jumbo, o elefanteJumbo e Alice eram dois elefantes que faziam muito sucesso no Zoológico de Londres, na época da Rainha Vitória. Jumbo (nascido e capturado no Sudão) era tão famoso que inspirou o nome de uma enorme caixa d’água em Essex.

Continuar lendo