Pilau de homar

– Você e eu vamos ao Blitz, Tuppence. O cego com sua guia. Posso aprender coisas interessantes lá.
– Escute, Tommy, a gente vai se meter em encrenca.
– Não, de jeito nenhum. Vou me comportar como um cavalheiro. Aposto que no fim do almoço vou surpreendê-la.
Reprimidos os protestos, quinze minutos depois Tommy e Tuppence se refestelavam confortavelmente numa mesa de canto do Gold Room do Blitz.
Tommy percorreu o cardápio com os dedos.
– Pilau de homar e galinha grelhada para mim – murmurou ele. (Sócios no Crime, Editora Record, pág. 78 )

Pilau de carneiro

Este é outro caso em que foi necessário consultar a edição original, em inglês, para confirmar o que é o tal pilau de homar. Pilau nem foi tão difícil: trata-se de arroz refogado em gordura ou óleo até o grão ficar transparente, quando então junta-se o caldo para terminar de cozer. Este prato também é chamado pilaf. As primeiras referências ao prato foram encontradas nas histórias de Alexandre o Grande (356 a.C. a 323 a.C.).

A citação em inglês:

“You and I will go to the Blitz, Tuppence. Blind man and his keeper. Some jolly useful tips to be picked up there.”
“I say, Tommy, we shall get into trouble.”
“No, we shan’t. I shall behave quite like the little gentleman. But I bet you that by the end of luncheon I shall be startling you.”
All protests being thus overborne, a quarter of an hour later saw Tommy and Tuppence comfortably ensconced at a corner table in the Gold Room of the Blitz.
Tommy ran his fingers lightly over the Menu.
Pilaff de Homard and Grilled Chicken for me,” he murmured.

A-ha! Agora sim. Homard é lagosta em francês. Pilaff, pilaf, pilau, polov, e mais uma infinidade de nomes parecidos são a mesma coisa.

Como francês não é meu forte (e lagostas não são tão fáceis de encontrar por aqui, nem tão baratas), a receita de hoje usa carneiro no lugar.
Pilau de carneiro

– 4 unidade(s) de cebola
– 750 gr de carneiro cozido(s) e picado(s)
– 1 xícara(s) (chá) de arroz
– 50 gr de manteiga
– 4 unidade(s) de tomate sem pele(s), sem sementes
– quanto baste de sal
– quanto baste de pimenta-do-reino preta
– quanto baste de água fervente
– 2 talo(s) de salsão

Na mesma panela em que cozinhou a carne de carneiro, juntamente com água que sobrou do cozimento, adicione o arroz, o sal e a pimenta do reino a gosto. Deixe cozinhar até que o arroz esteja macio. Numa outra panela aqueça a manteiga aquecida, a cebola ralada, o talo de salsão picadinho, o tomate e deixe refogar até amaciar. Misture o arroz, mexendo bem. Sirva a seguir com as batatas cozidas.

Tempo de preparo: 1 hora

Dica: a carne cozida do carneiro deve ser adicionada ao refogado para aquecer, só depois se mistura o arroz.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Pilau de homar

  1. Ainda não acabei “Sócios do Crime”, que estou lendo em paralelo com “O Mistério dos Sete Relógios”. Mas já tinha passado pelo tal Pilau e anotado para pesquisar. Mas depois pensei: deixa pra Lady Lucy, nessa coisa de comida ela é mestra.

  2. Eu estou enlouquecendo com esse livro… Além do pilau de homar (?? de onde a tradução tirou esse homar?) já tenho 3 posts prontos e mais 3 ou 4 para finalizar só de referências de Sócios no Crime.

    Os 7 relógios já terminei de ler mas não comecei a digitar a seleção ainda. Gostei bem mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s