Ricina

“Caro Sr. Blunt:
Tudo leva a crer que o veneno empregado foi ricina, toxalbumina vegetal tremendamente forte. Mantenha segredo por enquanto, por favor.” (Sócios no Crime, Ed. Record, 1987, pág. 134)

Mamona (Ricinus communis L.)

Eu não sei quanto a vocês, mas brinquei muito com a matéria-prima da ricina quando era criança: usava os frutos do pé de mamona do quintal de casa como munição de estilingue. A casca de espinhos macios não chegava a machucar o alvo (geralmente meu irmão mais novo), apenas o suficiente para arder. Hoje em dia a mamona serve a propósitos mais nobres como a fabricação de biodiesel, mas naquela época minha mãe não sabia do potencial mortífero da sementinha, caso contrário meu imão teria passado por uma infância talvez mais dolorida (eu teria que apelar para outras sementes – de abacate, por exemplo).

Por sorte não é tão fácil assim ficar exposto à ricina: esta toxina é obtida da pasta feita com a semente da mamona, subproduto do óleo de rícino. O oléo de rícino não é venenoso e vem sendo usado como laxante desde a época do antigo Egito. O óleo não é venenoso porque a ricina não é lipossolúvel.

A ricina, por outro lado, é extremamente tóxica: apenas uma semente contém veneno suficiente para intoxicar uma criança e basta um miligrama para matar uma pessoa adulta. Ao contrário de outra planta que também é altamente venenosa, o jasmim amarelo (v. post de 13 de maio de 2008 ), a ricina não intoxica pelo contato: é necessário injetá-la, aspirá-la ou ingeri-la.

A ricina pode apresentar-se na forma de líquido ou pó, inodoro e sem sabor. Presta-se como arma terrorista da mesma forma que o antrax – em 2004 um envelope contendo ricina forçou o fechamento de parte do Senado norte-americano e, em fevereiro de 2008, um homem foi hospitalizado em Las Vegas. A polícia encontrou ricina em seu quarto.

Sementes de mamona (castor beans)

Os primeiros sintomas de envenenamento por ricina podem demorar horas para se manifestar e, dependendo da forma como foi inoculada, podem incluir dor de estômago, perda de apetite, diarréia e vômitos, evoluindo para diarréia e vômito com sangue, ou tosse e febre no caso de ter sido inalada; não existe um exame clínico que detetcte a substância no organismo.

Uma vez que o médico consiga diagnosticar o quadro, o tratamento começa com a lavagem intestinal e administração de carvão ativado para absorver a toxina no caso de ter sido ingerida. Não existe um antídoto conhecido, porém cientistas pesquisam uma vacina que usa a toxina, geneticamene modificada, para impedir a ação da ricina nos ribossomos.

Quem assistiu ao episódio Venenos da série Tecnologia Forense (indicado em post de 23 de junho de 2008 ) deve se lembrar do caso do dissidente búlgaro atingido na perna pela ponta de um guarda-chuva em Londres, que continha uma minúscula bolinha envenenada. Era ricina o veneno que matou Georgi Markov, um crime atribuído à KGB.

O assassinato de Markov serviu de inspiração para o episódio S03E21 da série norte-americana CSI: NY (Past Imperfect, 2007, link com spoilers); a ricina também foi mencionada no episódio S02E07 de CSI (Caged, 2001, link com spoilers e episódio com um erro factual) e no episódio S17E19 de Law & Order (Fallout, 2007, link com spoilers).

Fontes de pesquisa:

How Stuff Works
BiodieselBR
Wikipedia
Plantas Tóxicas

V. também: Terapia contra o câncer pela ricina (em inglês)

Update 17.04.2013 – Este post do A Casa Torta é de 2008, mas voltou a receber muitos acessos em abril de 2013… A razão: “ricina” virou “palavra do dia” em 17.04.2013 por conta de carta com veneno letal enviada ao presidente dos EUA, Barack Obama, e ao senador Roger Wicker. Veja a matéria do Globo Online:

Primeiros testes indicam substância letal em carta enviada a Obama

Vale lembrar que este post faz parte das pesquisas do blog A Casa Torta sobre as ideias utilizadas por Agatha Christie em seus crimes, não se tratando, portanto, de qualquer apologia à utilização de nenhuma substância para quaisquer fins.

8 pensamentos sobre “Ricina

  1. confesso que fiquei suspreso pelas informações aqui contidas. quero parabenizar pela materia muito apologetica e rechaeda de informações

  2. Judah, obrigada pela visita e pelos elogios!🙂

    Elaborar estes posts para trazer a informação ao leitor do blog tem sido muito instrutivo…

  3. Lady Lucy,

    estou fazendo uma pesquiza sobre a viabilidade da produção para usoi caseiro do oleo de mamona, e seus subprodutos como torta e propriamente dito a ricina para a fabricação de pesticidas (veneno) bem bem só não sei como obter a ricina, vc sabe bem entre em contato comigo desde já agradeço um grande abraço….

    • São plantas completamente diferentes. Primeiro o tamanho das sementes, que no caso da chia é minúscula, na ordem de 1 milímetro, sendo que a semente da mamona é pouco maior que um feijão. Depois na área de cultivo, pois a chia é andina, enquanto a mamona é tropical.

  4. Impressionante, como você, meu amigo, também brinquei muito com isso quando criança, aqui chamá-va-mos de “carrapateira” e só resolvi pesquisar por curiosidade, já que vi uma matéria na Globo informando que enviaram uma carta a Barak Obama com este veneno, e eu brincava com isso.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s