Bolo de cominho

Caraway seed cake, bolo de cominho

Caraway seed cake, bolo de cominho

Lady Selina engoliu o último pedaço amanteigado e olhou vagamente em redor. Henry logo apareceu. Não rápida nem apressadamente. Parecia ter surgido ali de súbito.
– A senhora deseja mais alguma coisa? – E sugeriu atenciosamente: – Bolo, por exemplo?
– Bolo? – Lady Selina pensou nisso, hesitante.
– Estamos servindo um ótimo bolo de cominho que eu recomendo à senhora.
– Bolo de cominho? Faz anos que eu não como bolo de cominho! É bolo de cominho de verdade?
– É, sim, minha senhora. O cozinheiro usa essa receita há não sei quantos anos. A senhora vai gostar, tenho certeza.
Henry olhou para um dos seus ajudantes, e o rapaz disparou em busca do bolo de cominho.
[Agatha Chirstie, O Caso do Hotel Bertram, trad. Rachel de Queiroz. 7ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2001]

Levanta a mão quem lê livro ou assiste série/filme e fica de olho no que os personagens comem. o/

Antontem eu finalmente terminei de ver a segunda temporada de Poirot, que se encerrou com a adaptação da primeira aventura do detetive de Agatha Christie [O Misterioso Caso de Styles] e é claro que acabei com vontade de comer um dos quitutes mencionados: desta vez foi seed cake, um simples bolo “temperado” com sementes típico não apenas na Inglaterra, mas também na Terra Média, apreciado por humanos, hobbits e anões igualmente.

– Um pouco de cerveja me cairia melhor, se não lhe fizer diferença, meu bom senhor – disse Balin, agitando a barba branca. – Mas eu não recuso um pouco de bolo… bolo de sementes, se você tiver.

– Um monte! – Bilbo se viu respondendo, para sua própria surpresa; e se viu também correndo até a adega para encher uma caneca de cerveja, e depois para a despensa para pegar dois belos e redondos bolos de sementes que fizera aquela tarde para petiscar depois do jantar. [J. R. R. Tolkien, O Hobbit, trad. Lenita Maria Rímoli Esteves, Almiro Pisseta. 2ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 1998]

Eu demorei séculos pra perceber que o bolo de cominho do Hotel Bertram e o bolo de sementes do Bilbo Bolseiro são a mesma coisa. Aliás, durante muito tempo procurei receita do tal bolo de cominho sem sucesso… O seed cake já estava caindo no esquecimento na época de Agatha Christie [bom, após a Segunda Guerra, pelo menos], mas era muito comum durante a Era Vitoriana. Sua origem pode ser rastreada até o século 16 e é citado também nos Contos de Cantuária, de Chaucer.

Nas primeiras receitas de seed cake que se tem notícia usava-se fermento biológico [então, tecnicamente, era um pão], cerveja do tipo ale e nenhum açúcar. As sementes eram erva-doce ou cominho. Mais tarde, os galeses [ou os irlandeses] substituíram a ale por brandy, tiraram o fermento biológico e adicionaram açúcar e noz moscada, que combina muito bem com sementes de cominho.

Eu sei, estamos acostumados com o cominho em pó pra temperar carnes, né? Mas acho que já vi em grãos por aí.

As receitas modernas são mais leves e úmidas, usam fermento químico em pó, manteiga e uma quantidade maior de açúcar, e o elemento alcoólico passou a ser opcional. A versão mais moderna [e portanto não deve ser a que foi servida a Lady Selina] é um bolo de limão com sementes de papoula.

O cominho foi muito popular entre o séculos 17 e 20 por causa do festivais da colheita, que ocorrem perto do equinócio de outono no hemisfério norte. Os primeiros bolos eram assados redondos como um escudo; mais tarde em formas com um furo no meio [como nos episódios de Poirot e Miss Marple] e atualmente em formas de bolo inglês ou de pão de fôrma.

Bolo de cominho

110g de manteiga em temperatura ambiente
110g de açúcar refinado
2 ovos grandes, batidos
150g de farinha de trigo já com fermento
25g de amêndoas trituradas
2-3 colheres [sopa] de leite
2 colheres [sopa] bem cheias de sementes de cominho
2 colheres [sopa] de açúcar demerara [ou açúcar cristal, na falta do demerara]
1 colher [sopa] de amêndoas fatiadas fininhas, levemente amassadas

Preaqueça o forno a 180º C. Fôrma: redonda, 18 cm, untada e enfarinhada ou untada e preparada com papel-manteiga.

Bata a manteiga com o açúcar até ficar um creme claro e fofo. Acrescente os ovos batidos aos poucos, batendo sempre. Quando estiver bem homogêneo, pegue uma colher de metal e incorpore as amêndoas trituradas, as sementes de cominho e a farinha bem de leve. Adicione o leite aos poucos até obter uma consistência que a massa caia da colher. Coloque na forma preparada. Alise a superfície com as costas de uma colher e salpique o açúcar demerara e as amêndoas em flocos. Asse no meio do forno por uma hora ou até que o bolo pareça estar encolhendo, afastando-se da parede da assadeira. Deixe esfriar durante 10 minutos antes de desenformá-lo. Deixe esfriar completamente numa grade aramada.

Delia diz que fica melhor depois de um ou dois dias, então embrulhe em papel alumínio e guarde numa lata.

Fontes:
Good Cookery
Wikipedia
Wise Geek

Lista de desejos
Livro Appetite for Murder, de Kathy Borich [ammoostra grátis em PDF no site da autora]
Livro A Taste of Murder, de Jo Grossman e Robert Weibezahl
Livro A Second Helping of Murder: More Diabolically Delicious Recipes from Contemporary Mystery Writers, de Jo Grossman e Robert Weibezahl

6 pensamentos sobre “Bolo de cominho

  1. Muito boa a matéria!
    você mencionou o episódio final da segunda temporada é o de styles. Eu tenho o dvd da paris filmes e eles não puseram. estranho…

  2. oi, luiz! no dvd da paris filmes o último é the adventure of the western star? creio que a confusão se dê porque styles foi um episódio duplo exibido meses depois do fim da segunda temporada e meses antes do início da terceira.

    a temporada 2 acabou em março de 1990, a temporada 3 começou em 16 de janeiro de 1991 e styles foi ao ar em setembro de 1990. não sei como a paris filmes encaixou este episódio avulso na caixa nacional… talvez igual o imdb, que o lista como o primeiro da terceira temporada.

  3. Acabei de ler o livro da Agatha Chirstie, O Caso do Hotel Bertram e confesso que fiquei muito curiosa para saber “que tal bolo de cominho era esse”. Adorei a receita, só uma dúvida as sementes de cominho são grandes, elas devem ser trituradas..?
    Aguardo uma resposta.
    Agradeço.
    Elvira

  4. Eu lembro de ter lido algo sobre canapés de pepino numa das histórias, num chá da tarde, será que fica gostoso? rsrs se vc já se referiu a isso, desculpe, mas é a primeira vez que venho por aqui… e gostei…rs abraços.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s