Coleção Folha Agatha Christie: Reta final

Conforme já citamos em posts anteriores, a Coleção Agatha Christie da Folha é um sucesso, e já passou de metade de seus 24 lançamentos previstos. Há um site onde você pode adquirir a coleção completa ou volumes avulsos já lançados:

https://agathachristie.folha.com.br/

Mas em algumas bancas você encontra todos os volumes ainda à disposição. Em setembro de 2019 serão vendidos:

– “Um Brinde de Cianureto” – 01.09.2019
– “Três Ratos Cegos” – 08.09.2019
– “Mistério no Caribe” – 15.09.2019
– “Os Cinco Porquinhos” – 22.09.2019
– “Assassinato na Casa do Pastor” – 29.09.2019

Leia também:
Coleção Folha Agatha Christie: Sucesso de vendas
Coleção Folha Agatha Christie: 24 volumes a partir de 02.06.2019

Anúncios

Globo Livros: Mais três títulos de Agatha para a coleção

De acordo com o site Desencaixados, a Globo Livros estará lançado em 29.08.2019 três obras da Rainha do Crime:

Um Pressentimento Funesto é um dos lançamentos, ele conta a história do casal de detetives Tommy e Tuppence Beresford . A história gira em torno de Ada, a tia de Tommy, ela está internada em uma clínica geriátrica e durante as visitas a sobrinha acaba conhecendo outra paciência do instituto. Subitamente Ada morre e a recente conhecida é transferida para outro local, mas acaba deixando um enigmático quadro de presente para a senhora já falecida.

Sócios no Crime , um dos primeiros romances de Agatha , também está incluso nessa lista de lançamentos. O enredo também gira em torno do casal Tommy e Tuppence Beresford , eles estão recém-casados e recebem o convite do Chefe da Inteligência Britânica para recolocar os detetives em ação na Agência de Detetive Internacional. Através dessa oportunidade eles veem sua carreira crescendo e alcançando novos patamares, por isso, em cada capítulo o casal procura desvendar casos curiosos e sinistros ambientados no final da década de 1920.

Por último, Portal do Destino também será lançado. Novamente o casal de detetives estão presentes na narrativa e ela conta a história do casal já aposentado em uma casa no litoral, com uma biblioteca recheada de clássicos, um cão maravilhosamente fiel e um mordomo sempre a postos. Mas tudo pode mudar em questão de segundos.

Leia mais clicando aqui. O anúncio foi realizado através do site oficial da empresa:

http://globolivros.globo.com/autores/agatha-christie

The Last Séance: O lado macabro em um único volume

No original em inglês, no site agathachristie.com:

From the Queen of Crime, the first time all of her spookiest and most macabre stories have been collected in one volume.

‘From behind the curtains there still sounded the terrible high long-drawn scream – such a scream as Raoul had never heard. It died away with a horrible kind of gurgle. Then there came the thud of a body falling…’

For lovers of the supernatural and the macabre comes this collection of ghostly and chilling tales from Agatha Christie. Acknowledged the world over as the undisputed Queen of Crime, in fact she dabbled in her early writing career with mysteries of a more unearthly kind – stories featuring fantastic psychic visions, spectres looming in the shadows, encounters with deities, eerie messages from the Other Side, even a man who switches bodies with a cat…

This haunting compendium gathers together all of Christie’s spookiest and most macabre short stories, some featuring her timeless detectives Hercule Poirot and Miss Marple. Finally together in one volume, it shines a light on the darker side of Agatha Christie, one that she herself relished, identifying ten of them as ‘my own favourite stories written soon after The Mysterious Affair at Styles, some before that’.

Leia mais em
https://www.agathachristie.com/stories/the-last-séance-1

Cora Rónai: A carta, os trens, os livros… e Agatha

Cora Rónai cita Agatha em sua coluna “A carta, os trens, os livros” em O Globo de 21.08.2019:

Dia desses chegou uma carta. Era comum isso acontecer antigamente, mas hoje é raro e chama a atenção. Uma carta gorda, bem recheada: várias páginas escritas à mão, em folhas pautadas retiradas de um caderno espiral, acompanhadas de uma quantidade de páginas xerocadas de livros, cheias de anotações. Espalhei tudo em cima da mesa, sem saber por onde começar — havia muito carinho e muito trabalho investidos naquela correspondência.

Comecei pelas seis folhas que me pareciam diretamente endereçadas.

“Meu nome é Rosangela e tenho 62 anos. Nesse momento em que escrevo, já não tenho certeza se a minha ideia foi boa. Tenho uns livros, biografias e autobiografias, comprados há décadas em sebos do Centro, que passei a reler. Na autobiografia da Agatha Christie, por exemplo, li uma observação muito interessante: ela conta que viu o brasileiro Santos Dumont voar em Paris.”

O trecho está entre as páginas em xerox, sublinhado com caneta vermelha:

“Em 1911 aconteceu algo que considerei fantástico. Subi num aeroplano! Os aeroplanos eram, é claro, um dos principais temas de conjecturas, discussões, ceticismo e tudo o mais. Quando eu estava no colégio, em Paris, fomos um dia assistir a uma das tentativas de voo de Santos Dumont no Bois de Boulogne. Tanto quanto eu me lembro, o aeroplano subiu, voou alguns metros e depois caiu. De qualquer modo, foi impressionante.”

Há outros trechos, com histórias de Lilli Palmer, David Niven, Lauren Bacall, recolhidos de outros tantos livros. Em alguns casos, como na marcação feita com tinta vermelha, as anotações são recentes; em outros, fazem parte da xerox. Minha correspondente informa que seus livros são todos assim, riscados e anotados.

“Agora estou achando muita pretensão minha, mas tive a ideia de xerocar esses casos — informar uma jornalista muito competente, eis a minha pretensão (aqui entraria aquela carinha sem graça, pedindo desculpas, do WhatsApp) — e enviar, sempre pode ser útil.”

A carta da Rosangela é muito mais do que uma carta: é um pequeno tesouro, na forma de uma conversa em módulos.

“Um dia eu estava num trem de Santa Cruz, lotado, às sete e pouco da manhã, e vi um rapaz meio gordinho, alto, mochila na frente, se equilibrando enquanto lia um livro imenso. Como sempre, procurei ver a capa, e me surpreendi: ‘A divina comédia’, em edição bilíngue. Confesso que hoje me sinto um pouco preconceituosa com a minha reação em ver alguém que mora tão distante com um livro desses. Ele estava no meio do vagão, o que significa que pegou o trem bem antes de Padre Miguel, onde eu moro. Trem lotado, você entra e brinca de estátua, não dá para se mexer, só ser empurrada. Mas desde esse dia eu passei a anotar todos os títulos ou autores que eu conseguia ver no trem ou no metrô.”

Essa lista faz parte do material da carta e hoje está em minhas mãos. Começou a ser feita em 2015 e ocupa 23 páginas de 24 linhas cada. Seu conteúdo é tão variado quanto os leitores que, ao longo desses anos, brincaram de estátua perto do olhar atento de Rosangela Cosme da Silva, afiada observadora do cotidiano.

A coluna pode ser encontrada aqui:
https://oglobo.globo.com/cultura/a-carta-os-trens-os-livros-23893977

Kaya Scodelario: Protagonista de O Cavalo Amarelo

Complementando o post de 17.06.2019…

O Cavalo Amarelo: Adaptação para a TV

…foram divulgadas mais informações sobre esta adaptação. De acordo com o portal Terra, a nova versão de O Cavalo Amarelo será estrelada por Kaya Scodelario:

A jovem atriz de Skins e Maze Runner se junta ao elenco formado por Rufus Sewell (The Man in the High Castle), Bertie Carvel (Doctor Foster), Sean Pertwee (Gotham), Henry Lloyd-Hughes (Killing Eve), Georgina Campbell (Black Mirror) e Claire Skinner (Critical).

Kaya Scodelario

Sewell assume o papel do detetive Mark Easterbrook, responsável por desvendar a morte de uma mulher, encontrada com uma misteriosa lista de nomes em seu sapato. Tal pesquisa o leva ao Cavalo Amarelo, lar de três estranhas mulheres conhecidas como as “bruxas do vilarejo” — interpretadas por Rita Tushingham (Adorável Júlia), Sheila Atim (Prelúdio de Game of Thrones) e Kathy Kiera Clarke (Colheita Amarga).

Leonora Lonsdale dirige o roteiro de Sarah Phelps (Morte Súbita), que será dividido em duas partes.

Leia mais clicando aqui.