Poirot inédito: The Capture of Cerberus

Inéditos da Rainha do Crime

Inéditos da Rainha do Crime

Ao faxinar a casa de Greenway antes de entregá-la como patrimônio histórico nacional, a família de Agatha Christie não encontrou apenas as fitas com gravações da Dama da Morte para sua autobiografia: encontraram também cadernos repletos de anotações.

John Curran, fã e amigo da família, analisou 73 cadernos e encontrou dois contos inéditos estrelados por Hercule Poirot. O tabloide Daily Mail publica o primeiro deles neste fim-de-semana em dois capítulos, no sábado e no domngo.

O primeiro capítulo de The Capture of Cerberus já está disponível via Web em inglês; clique aqui para ler.

Este e o outro conto [The Dog’s Ball] serão publicados no livro Agatha Christie’s Secret Notebooks: Fifty Years in the Making, de John Curran, a sair em 3 de setembro próximo. Além dos contos, o autor comenta outras descobertas nos cadernos de anotações como uma cena excluída de O Misterioso Caso de Styles, uma história famosa de Poirot que começou como se fosse de Miss Marple, ideias que não foram usadas, etc.

Acompanhe o que Curran tem a dizer sobre seu livro no blog que ele mantem dentro do site oficial de Agatha Christie clicando aqui.

O livro já está em pré-venda na Amazon inglesa por £14,00 [cerca de R$42,20 no câmbo de hoje].

Greenway House reformada

Greenway House

Greenway House

Segundo o Yahoo Entretenimento, a casa de campo de Agatha Christie será reaberta ao público neste final de fevereiro de 2009, após anos de restauração:

A casa Greenway, localizada no condado de Devon (sudoeste da Inglaterra), estava em péssimo estado de conservação quando o National Trust (Patrimônio Nacional) decidiu restaurá-la em 2005, após a morte da filha e do genro da escritora britânica, Rosalind e Anthony Hicks.

Nos verões, a autora de obras célebres como “Assassinato no Expresso Oriente” e “Morte no Nilo” costumava reunir familiares e amigos na casa de campo, geralmente para celebrar o fim de um novo livro prestes a ser publicado.

[Leia mais clicando aqui]

Agatha Christie Mile

Onde as histórias acontecem

Onde as histórias acontecem

Os locais abaixo fazem parte do tour Agatha Christie Mile.

1. Cavernas de Kent: a Caverna Hempsley do livro O homem do terno marrom é uma réplica destas cavernas.

2. Anstey Cove: pequena praia onde Agatha e seus amigos faziam piqueniques ao luar. Neste local ela teve um encontro romântico com Amyas Boston; mais tarde ela usou o nome Amyas no livro Os cinco porquinhos.

3. Praia Meadfoot: Agatha era uma nadadora entusiasta. Em sua época, homens e mulheres não se misturavam nas praias, ficando 50 jardas separados (aproximadamente 45 metros).

4. Torquay Town Hall: local em que funcionava o hospital da Cruz vermelha durante a Primeira Guerra Munial. Agatha era enfermeira voluntária.

5. Torre da Igreja de Todos os Santos: igreja fundada com doção do pai de Agatha.

6. Cockington Court: propriedade da família Mallock, amigos dos Miller, onde se organizavam encenações de teatro amador de que Agatha participava.

7. Mansão Oldway: propriedade da família Singer (das famosas máquinas de costura), que Agatha freqüentava durante os bailes oferecidos.

8. Ferrovia Paignton a Dartmouth: Agatha descia na Churston Station para chegar à sua casa, Greenway. Poirot usou esta ferrovia nos livros Os crimes ABC e A extravagância do morto.

Fonte: The English Riviera

Post relacionados
Torquay Museum publicado em 24 de janeiro de 2008.
The Mysterious Affair at… All Saints ? publicado em 18 de maio de 2008.
Tour na Riviera Inglesa publicado em 7 de junho de 2008.
Igreja de Todos os Santos publicado em 15 de setembro de 2008.
Seguindo seus passos publicado em 8 de novembro de 2008.

Os jardins de Greenway House (3)

Enquanto o trabalho de mudança progredia, Hannaford, o jardineiro, que era um velho cão fiel, dedicado aos patrões a quem servira por tanto tempo, chamou-me de parte e disse: “Veja o que salvei para a senhora, o que tirei deles”. Eu não fazia a menor idéia do que ele queria dizer, mas acompanhei-o à torre do relógio, por cima das cavalariças. Aí, passando por uma espécie de porta secreta, mostrou-me uma enorme quantidade de cebolas espalhadas no chão, cobertas com palha, e também pilhas de maçãs. (Agatha Christie, Autobiografia, Círculo do Livro)

Vista do Rio Dart a partir dos jardins de Greenway

Vista do Rio Dart a partir dos jardins de Greenway

 

Outra vista do rio

Outra vista do rio

Estátua de pedra no jardim de Greenway

Estátua de pedra no jardim de Greenway

Este sanitário vitoria foi encontrado enterrado sob uma pilha de folhas durante uma escavação arqueológica nas terras de Greenway. Acredita-se que remonte a meados do século 19.

Este sanitário vitoria foi encontrado enterrado sob uma pilha de folhas durante uma escavação arqueológica nas terras de Greenway. Acredita-se que remonte a meados do século 19.

Posts relacionados
Os jardins de Grenway House (1) publicado em 26 de setembro de 2008.
Os jardins de Grenway House (2) publicado em 4 de outubro de 2008.

Os jardins de Greenway House (2)

Apesar de tudo, não havia motivo para que eu comprasse a Greenway House. Mas como me sentia atraída por essa casa! Sempre soubera que Max não gostava, realmente, de Ashfield. Não porque ele tenha dito isso — mas eu sabia. Acho que, de certa forma, sen­tia ciúmes da casa, pois ela fora uma parte de minha vida que eu não partilhara com ele — era só minha. E Max dissera espontanea­mente acerca da Greenway House: “Por que você não a compra?” (Agatha Christie, Autobiografia, Círculo do Livro)

Entrada para o Jardim Murado Sul

Entrada para o Jardim Murado Sul

  Continuar lendo

Os jardins de Greenway House (1)

Assim, fomos até a Greenway House; realmente, a casa e os terrenos que a rodeavam continuavam lindíssimos. Era uma residência georgiana, de cerca de 1780 ou 1790, com um bosque que descia suavemente até o Dart e muitas árvores e arbustos — a casa ideal, um sonho de casa. (Agatha Christie, Autobiografia, Círculo do Livro)

Jardim Murado Sul

Jardim Murado Sul

Continuar lendo

Ouça Agatha

Grundig Memorette 1968

Grundig Memorette 1968

Esta é a primeira de uma série de matérias publicadas na Internet sobre a descoberta de fitas gravadas pela Rainha o Crime. Há pelo menos dois posts com outros detalhes diferentes do abaixo, programados para amanhã e sexta-feira.

Agatha Christie usou sua avó como modelo para Miss Marple, revelam novas gravações

Encostados por mais de 40 anos, fitas de áudio contendo a voz inconfundível de Agatha Christie foram descobertas, mostrando que ela baseou Miss Marple em sua própria avó.

Seu neto Mathew Prichard tropeçou em 27 fitas de meia hora numa caixa de papelão empoeirado ao limpar um depósito em Greenway, a propriedade em estilo georgiano com vista para o estuário do Dart que Christie chamava de “o lugar mais agradável do mundo”.

As fitas, que ninguém sabia existirem, são o material bruto em que se baseia parte de sua autobiografia.

Continuar lendo

Isokon Flats

Em 1940, “não há necessidade de guardar os tapetes com bolas de naftalina” — isso quando o Almirantado ocupou minha casa: “Não durará até o inverno”. […] Enchemos caixotes e caixotes de maçãs, e enviei-as a todas as pessoas minhas conhecidas que tinham crianças e que poderiam apreciá-las. Não podia imaginar-me regressando ao Lawn Road Flats com duzentas cebolas. Tentei oferecê-las aos hospitais, mas parece que por toda parte havia fartura de cebolas. (Agatha Christie – Autobiografia, Ed. Círculo do Livro)

Edificio Isokon, Lawn Road, Hampstead

Edifício Isokon, Lawn Road, Hampstead

Melita Norwood (em solteira Simis), uma bisavó residente em Londres que se descobriu que era espiã da KGB em 1999, era suspeita de traição anos antes de começar a passar segredos britânicos para Moscou.

“This means that in 1938 MI5 had already opened a personal file on her, and yet she was vetted and allowed to work on the Tube Alloys project [codename for the atomic bomb]. The Russians certainly wanted to keep her active, so somebody must have told them her cover had not been blown.” Norwood had worked since the 1930s as secretary to the director of the British nonferrous metals research association, G L Bailey, who was a consultant to the Tube Alloys project. (Times Online)

Continuar lendo