Agatha Christie 120 Anos | Murder on the Orient Express / Assassinato no Expresso do Oriente

Há muitos, muitos anos atrás, quando eu ia para a Riviera ou para Paris, costumava ficar fascinada pela visão do Orient Express em Calais, e desejava ardentemente viajar nele. Agora, ele já se tornou um amigo velho e familiar, mas a emoção não morreu de todo. Eu vou nele! Eu estou nele! Estou precisamente no carro azul, com uma simples legenda do lado de fora: CALAIS-ISTAMBUL. É, sem dúvida, o meu trem favorito. [Agatha Christie, Desenterrando o Passado, trad. Cora Rónai Vieira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976]

Max Mallowan, Agatha Christie e Leonard Woolley em Ur, 1931

Max Mallowan, Agatha Christie e Leonard Woolley em Ur, 1931

Agatha Christie viajou no trem Orient Express pela primeira vez algum tempo depois de separar-se do primeiro marido. O pedido de divórcio feito por Archibald Christie em 1926, logo após a morte da mãe da escritora, levou-a a uma crise nervosa. Agatha desapareceu por onze dias, mobilizando a polícia, a imprensa e o público, e foi localizada num spa com amnésia. O divórcio foi oficializado em 1928.

Ela já era uma autora famosa por seus romances policiais e a viagem pelo Orient Express foi também a primeira viagem desacompanhada em sua vida inteira. No final da parte 7 e em toda a parte 8 de sua autobiografia, ela conta ao leitor como esta viagem foi libertadora psicologicamente, além de narrar todos os percalços por que passou e descrever as pessoas e lugares que conheceu.

Muitas dessas pessoas e lugares foram retratados no romance policial “Murder on the Orient Express”, publicado pela primeira vez em 1933 nos EUA [e apenas em 1934 na Inglaterra] com o título Murder on the Calais Couch. Agatha Christie estava casada desde 1930 com seu segundo marido, o arqueólogo Max Mallowan, que ela conheceu na segunda viagem a Istambul. Mallowan participava de escavações na Síria e, em sua lua-de-mel [planejada pelo marido como uma surpresa para a esposa], o casal voltou a viajar pelo Orient Express. Talvez por isso, ela dedicou o livro a Max Mallowan.

A trama tem inspiração em dois fatos verídicos: o primeiro foi uma viagem do Orient Express em 1929 quando o trem foi apanhado no meio de uma nevasca e passou seis dias isolado no meio do trajeto. O segundo foi o Caso do Bebê Lindbergh, o rapto e assassinato do filho do aviador Charles Lindbergh nos EUA em 1932.

Os trens são maravilhosos. Ainda os adoro. Viajar de trem é ter a possibilidade de observar a natureza e os seres humanos, cidades, igrejas e rios — de fato, olhar a vida. [Agatha Christie, Autobiografia, trad. Maria Helena Trigueiros. São Paulo: Círculo do Livro, 1989]

Em Assassinato no Expresso do Oriente, o detetive Hercule Poirot encontra-se a bordo do trem a caminho de Calais depois de solucionar um caso na Síria. Ele encontrara-se com um velho amigo, Monsieur Bouc, que atualmente é um dos diretores da Compagnie Internationale des Wagons Lits, no restaurante do Hotel Toklatian. Foi M. Bouc quem conseguiu uma vaga para Poirot no trem, “excepcionalmente lotado para esta época do ano”, segundo o condutor Pierre Michel.

No vagão-restaurante, Poirot é abordado por Samuel Ratchett, um americano que lhe oferece um serviço. Poirot e Bouc já o haviam avistado antes no restaurante do Hotel Tokatlian e não tiveram uma boa primeira impressão. Ratchett recebeu ameaças de morte e quer que Poirot o proteja dos inimigos, mas o detetive o recusa: “Desculpe a franqueza, senhor Ratchett. O que não me agrada é a sua fisionomia.”

Continuar lendo

Garimpando Agatha nas livrarias

Embora minha intenção original nem fosse procurar por Agatha nas grandes livrarias cariocas neste fim de semana, acabei me deparando com seus livros neste sábado e domingo, 03 e 04.07.2010. Na FNAC do Barra Shopping (RJ), encontrei dois livros por R$ 17,00 cada:

FNAC Barra

FNAC Barra

Já na Saraiva do Rio Sul, uma edição em inglês sobre a qual Lady Lucy falará em breve aqui em A Casa Torta… 🙂 O título é “Masterpieces in Miniature – Stories: The Detectives; Parker Pyne; Harley Quin, Hercule Poirot, and Miss Marple”, com custo de R$ 35,40:

Masterpieces in Miniature: Stories: The Detectives; Parker Pyne; Harley Quin, Hercule Poirot, and Miss Marple

Masterpieces in Miniature: Stories: The Detectives; Parker Pyne; Harley Quin, Hercule Poirot, and Miss Marple

Um Poirot perdido… e encontrado

David Suchet como Poirot

David Suchet como Poirot

Duas notas na rede falando sobre “Incident of the Dog’s Ball”, descoberto pela filha de Agatha em 2004. A primeira da Reuters, em 10.11.2009:

After more than 30-years, murder mystery writer Agatha Christie’s fictional Belgian detective Hercule Poirot will return to the United States next week.

The Strand Magazine said it will publish the 5,000-word story called the Incident of the Dog’s Ball, which was found in the attic of the author’s daughter in 2004.

The story was published in the Britain in September.

“It’s a typical Agatha Christie whodunnit,” Andrew Gulli, the editor of the Strand, said in a telephone interview, adding that it contains lots of surprises.

Pistas, pistas...

Pistas, pistas...

A segunda, da Examiner.com, em 12.11.2009:

Agatha Christie’s famed detective, Hercule Poirot, will make a surprise U.S. reappearance in Strand Magazine’s tenth anniversary issue, to be published next week. This Reuters November 10, 2009 announcement followed closely upon Strand’s mention of a surprise in store for for its readers of the magazine’s upcoming issue.

The new Christie publication, a 5,000-word short story entitled “The Incident of the Dog’s Ball,” was discovered in the home of Christie’s daughter in 2004. British readers saw an earlier September 2009 release of the story.

Poirot visto pelos outros

Sempre fica aquela dúvida: qual ator melhor personifica o grande Hercule Poirot ? Entre os cinéfilos, muitos dirão Peter Ustinov, que consagrou o detetive em adaptações como a de “Morte no Nilo” (nas telas brasileiras, “Morte Sobre o Nilo”), ainda que Ustinov esteja bem distante da descrição sugerida por Agatha Christie em seus primeiros livros. A modernidade da TV a cabo trouxe para nós David Suchet, uma das caracterizações mais interessantes, além de Alfred Molina, Austin Trevor, entre outros.

Há passagens, em geral muito bem humoradas, nos livros da Dama do Crime que apresentam ao leitor a visão dos outros personagens ao se depararem com o detetive. Uma delas está em “O Assassinato de Roger Ackroyd”, quando Poirot é confundido com um… Continuar Lendo »

Enciclopédia Britânica

Abaixo, reproduzimos o artigo relativo a Agatha Christie dentro da Enciclopédia Britânica:

Enciclopédia BritânicaDame Agatha Christie
Encyclopædia Britannica Article
Page 1 of 1
– born Sept. 15, 1890, Torquay, Devon, Eng.
– died Jan. 12, 1976, Wallingford, Oxfordshire

in full Dame Agatha Mary Clarissa Christie, née Miller

English detective novelist and playwright whose books have sold more than 100 million copies and have been translated into some 100 languages.

[Texto completo (com spoilers sobre Poirot e Miss Marple): clique aqui]

The Spinster Sleuth

Geraldine McEwan como Miss MarpleComo tenho profunda simpatia por Miss Marple, não custa nada indicar um link (que acabei de descobrir que está na lista de links à direita deste blog…) que fala especificamente sobre esta personagem adoravelmente perspicaz presente em alguns dos melhores livros de Agatha Christie:

Miss Jane Marple – The Spinster Sleuth

Pena que haja seções não desenvolvidas e não esteja sendo atualizado desde 2006. Ainda assim, vale uma olhada: há até uma pesquisa sobre qual atriz melhor a interpretou (Joan Hickson, Margaret Rutherford, Angela Lansbury e Helen Hayes são algumas das opções).

Na foto ao lado, Geraldine McEwan como Miss Marple.

(No mesmo site, há um link para uma página semelhante sobre Hercule Poirot, The Belgian Detective.)

Menos um Poirot

David Suchet, intérprete de Hercule PoirotTrês notas recentes sobre David Suchet, famoso intérprete de Hercule Poirot:

19.02.2008 – David laments loss of theatre tradition:

(…) The Poirot star fears more youngsters are heading straight for quick fame with TV instead of theatre or film. (…)

20.02.2008 – Suchet missed out on Belgian coin mint:

Actor David Suchet narrowly missed out on the chance to be immortalised on Belgian currency as his famous character Hercule Poirot – because the idea was scrapped once the country joined the single European currency. (…)

A terceira é a inesperada:

20.02.2008 – Suchet to retire as Poirot

(Leia a matéria clicando aqui)

Poirotiradas

A imaginação é um ótimo servo e um péssimo mestre. A explicação mais simples é sempre a correta.

Eu já não disse a você várias vezes que tudo, por mais insignificante que pareça, deve ser levado em consideração?

(ambas no capítulo 6 de “O Misterioso Caso de Styles”, 1920)